Mensagens e Textos
Palestra de divulgação em praça pública

Mensagem trabalhada na Praça Central de Maringá, no dia 20/2/2006, no momento de divulgação da Casa Missionária Tenrimar, com apresentação cantada pelo Rev. Clóvis Nascimento do Hino dos 120 Anos do Ocultamento Físico de Oyassama, e a seguir a dança Yorozuyo Hashu, que contou com a presença de diversos ouvintes, que curiosos ficaram atentos ao que estava acontecendo.

Após o término da dança o reverendo discorreu sobre a explicação do Hino Sagrado e em seguida passou a falar sobre a Doutrina.

Ao final foram entregues jornais, panfletos e folhinhas do ano de 2006, com duração total da divulgação de 3 horas; e se pode constatar a aceitação do público, inclusive pelos comentários. 

Tema: MANIFESTANDO COMPAIXÃO

“Não existe crença mais supersticiosa e equivocada do que aquela de quem reza apenas por querer receber alguma graça. Será que existe um Deus tão negligente e irresponsável que dê as graças simplesmente porque alguém rezou e fez o pedido? Maior tolice é daquele que consagra animais e seres humanos como Deus, e ainda lhes oferece orações em troca de favores. Não podemos chamar isso de religião. Pois a religião deve ser um instrumento para salvar a alma dos homens, fazendo com que os olhos do seu espírito despertem para Deus”. (Sashiti Ono)

Conforme texto acima, temos:

“Esta salvação, não farei por meio de preces e evocações, nem através de consultas de oráculos”. ED. III-45

“Estes filhos que vivem sem nada saberem, inspiram compaixão aos olhos de Deus”. ED. III-94

Em Jiba, com a razão divina é explicado tudo sobre a proteção, desde a criação do homem, para realizar a salvação, purificando até o fundo do coração. Portanto, devem refletir, compreender e harmonizar-se com o coração de Deus-parens. Se salvar os outros, se salva de acordo com essa razão. Portanto, é bom pensar que tudo que ocorre é o reflexo – o retorno do que a própria pessoa fez. Está apenas recebendo de volta aquilo que saiu de si mesmo, por isso, é errado ter raiva dos outros ou odiar o mundo pelo que lhe acontece. Se continuar agindo assim, por mais que o tempo passe, a pessoa nunca se salvará.

A felicidade do homem está em viver e ser vivificado sob a graça e proteção de Deus. Assim sendo, as pessoas precisam viver com mais humildade e salvando-se mutuamente, contentando-se com as coisas que lhes são concedidas. Não há algo que mais contrarie a Deus do que o espírito egoísta que pensa só no próprio bem. Por isso, não se deve ter condutas egocêntricas e nem agir com impaciência e precipitação, muito menos com rebeldia e revolta, que significa atrair a própria ruína.

Se não semear, não haverá colheita. Da mesma forma, sem a causa não surgirá o efeito. Portanto, qualquer coisa se manifesta por haver a devida razão. Todas as coisas saem e voltam para nós mesmos. E quanto às coisas que não lembramos, não há alternativa senão compreendermos que são das causalidades ou predestinações trazidas das vidas anteriores. A maneira de compreender e aceitar as coisas depende de cada um. Quem o faz com fé e humildade consegue se salvar.

O valor da doutrina da Tenrikyo não está apenas em ensinar aos homens a verdadeira maneira de ser e de viver, mas também em mostrar-lhes o transbordante e caloroso amor de Deus, que estende a mão mesmo para aqueles que estão perdidos e cobertos de sujeiras, trazendo-os de volta para o caminho certo. Para isso, existe a sala de preleção, que é denominada como o local da salvação. Mesmo aquele que tenha no coração uma dor e aflição muito profunda, se ao menos ouvir e aceitar sinceramente a explanação divina, certamente se salvará.

Este Caminho não ensina, em absoluto, que a pessoa se salvará só porque ela rezou. Ensina-nos, sim, a ter um espírito de respeitar e reverenciar a Deus, bem como a importância de praticar ações corretas dignas de um ser humano. Haverá colheita se houver o devido esforço, empenhado de acordo com a razão celeste. E a junção de duas forças, á sua e a dos outros, é que sustenta a vida. A fé conduzida com determinação espiritual é que leva ao caminho da maturação, enquanto que a fé sem qualquer determinação espiritual torna-se frouxa e relaxada. A fé apenas com a fim de rezar ou ouvir as palestras só para enriquecer os ouvidos não tem vínculo com a vida cotidiana, portanto, não consegue progresso algum, por mais que o tempo passe. E isso significa que não ouve qualquer mudança. Fazer a determinação espiritual é fazer a promessa a Deus e, ao mesmo tempo, persuadir a si mesmo a alcançar uma meta previamente traçada. É dito que as dificuldades são as fortunas e os sofrimentos são os tesouros. Mas, isso não se refere às dificuldades e sofrimentos perseguidos pela sua predestinação, e sim ás dificuldades e os sofrimentos passados por sua livre e espontânea vontade em dedicação ao bem-estar dos outros, e que são aceito por Deus. Concluindo, não há verdadeira sinceridade sem ter nenhuma dificuldade e, também, não há razão para se fazer á determinação espiritual na vida sem dificuldade.

O importante é reconhecer diariamente quanto somos gratos e pensar em como poderemos retribuir a essa infinita e incessante graça que recebemos do Céu. E, antes de pensar que estamos vivendo com a nossa própria força, devemos reconhecer a inegável realidade de que estamos sendo vivificados. Ao sabermos que a extraordinária estrutura do nosso corpo é formada e manejada pela providência divina, certamente o nosso espírito ficará ainda mais transbordante de fé e devoção.

Sabemos também que se faltar com o caminho da dedicação sincera à salvação, não nos esforçando em divulgar a fé e em ajudar o próximo, não teremos o devido mérito para receber de Deus a sua graça e proteção. Não basta ouvir os ensinamentos. Se a pessoa não tiver a sinceridade de praticá-los com espontânea vontade, não se pode dizer que seja um verdadeiro seguidor deste gratificante caminho. Á medida que a pessoa vai compreendendo os ensinamentos divinos, ela vai se assegurando firmemente de que está buscando e encontrando a salvação por si mesma.

Quando a pessoa ficar livre de tudo e não turvar o espírito puro e transbordante como a água corrente de um riacho limpo, este mundo será um paraíso. Mesmo sendo simples e pobre, aí está a meta almejada por quem segue passo a passo e firmemente o caminho desta fé.

Por essa razão, na Tenrikyo, ao lado de ser fiel ao princípio, esforça-se e ora para sermos salvos dos sofrimentos, que surgem realmente. Essa atitude é claramente ensinada por Oyassama-nossa mãe. Ela curou sem discussão todos aqueles que a procuraram. Na época, todos eles tinham doenças graves. Os antigos mestres diziam que, ao vê-los sofrendo, curava-os imediatamente, manifestando compaixão. Não pregou sistematicamente os ensinamentos divinos nem disse insistentemente para que limpassem as poeiras espirituais, deixando tudo isso de lado, manifestou o seu amor (paternal e maternal), o desejo de salvar toda a humanidade. Foram numerosas pessoas que se salvaram graças a isso. As pessoas souberam da existência de Deus-Parens, o original e verdadeiro que se revelou ao mundo através de Oyassama-nossa mãe, por meio das experiências que só poderiam admitir como “salvação milagrosa”. E passaram a crer que não havia um mínimo de erro no que Ela pronunciava. Foi assim que as salvações abriram o caminho e propagaram-se ao mundo o Tenrikyo.

Igreja Tenrikyo - Casa Missionária Tenrimar
Rua José Pereira da Costa, 579 - Jardim Tabaete - Maringá/PR - CEP: 87005-220 - Tel (44) 3301-9818
www.tenrimar.com.br
Desenvolvido por Nexus Design